Coisas Aleatórias e etc


Oi, gente. Faz teeempo que não apareço aqui com uma ~pauta~, né? Sempre são posts falando dos meus dias, do que está havendo...bom, acostumem-se, porque esse é o conceito de blog pessoal. Não sou boa com look do dia, meus tutoriais de maquiagem são extremamente simples, e eu não tenho tanta paciência pra ficar falando de maquiagem o tempo inteiro.

Mas enfim.

Já comentei aqui que sou uma pessoa ansiosa. Mas assim, minha ansiedade ultrapassa limites aceitáveis. Semana passada, naquela coisa de "será que meu visto sai?" e afins, em plena madrugada, me atacou uma dor no canto esquerdo da cintura. E assim, chamar de intensa é pouco. Nem minhas cólicas renais chegam perto do que foi aquilo. Ou seja, dormi por 15 minutos e tive que acordar maravilhosa, disposta, esperta e sem fome. Mas deu tudo certo.
Eu espero do fundo do meu coração que essa dor não volte. É um saco ser emocional demais, e qualquer alteração de humor refletir na saúde. Sempre fui assim, desde criança. Queria ganhar alguma coisa e não ganhava? Ficava doente. Tinha prova no dia seguinte e eu ficava nervosa? Ficava doente. Discutia com algum amigo? Ficava doente. Era uma rotina.
Quando eu tava na quinta série, eu não tinha amigos. De verdade, e acho que nunca contei isso pra ninguém. Chegava na hora de fazer duplas, eu sobrava, me acostumei a fazer as coisas sozinha (eu preferia até). No começo, isso me deixava meio bolada, porque sério, eu era uma menina legal e dividia meu lanche. Mas nego não ia com a minha cara. Esse comecinho foi difícil, porque eu ia pra enfermaria todo santo dia, com dor de estômago e etc. Depois passou, porque comecei a ver que errados eram eles, minha companhia era um presente e eles simplesmente não mereciam. Foi aí que nunca mais dividi lanche e peguei gosto por fazer trabalhos sozinha. Quinta série, você criou um monstro.

Outra coisa que nunca comentei, era que eu já meio que sofri uns bullying louco na vida. Na verdade, nunca encarei como bullying, sempre encarei como gente babaca sendo imbecil. Eu nem sempre fui magrinha, e já fui uma pessoa fófis. Nunca sofri por isso, mas né, rolavam apelidos. Nunca deixei isso me afetar, e sempre quis ser o mais diferente de todo mundo, e o mais parecida comigo o possível. Por isso que comecei a pintar meu cabelo, fazer tatuagem e me maquiar do jeito que me desse na cabeça. Sempre achei ridículo me deixar levar pelo que esse povo falava, e posso dizer que hoje cada uma dessas pessoas se tornou o que elas mais odiavam, o que elas mais zuavam. What goes around....

Nunca fiz dieta, só faria por uma questão de saúde, caso bem necessário. Não sou vegetariana, nem pretendo. Não como peixe e nem porco por nada nesse mundo, amo hambúrguer de paixão. A vida é curta demais pra se privar de uma picanha aqui, um bolo de brigadeiro ali. Nunca como pensando em quantas calorias engordar, sempre como porque sinto vontade. Até hoje, aquela Marii que quer ser o mais parecida com ela possível, ainda pinta os cabelos, faz tatuagens. Porque é isso que eu sou. Não faz muito tempo que eu percebi que me sinto muito mais feliz assim, e se alguém acha ou fala alguma coisa, não é um problema meu.

Sejam bem resolvidos com vocês mesmos. Ninguém melhor do que você pra ser você.

* Amanhã tem resenha de livro. Aguardem.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comentários sujeitos à aprovação.

Topo