Sons da minha juventude | Cueio Limão

É oficial: tô virando uma tia, visto o título do post, visto que meu aniversário tá chegando, visto que eu sou da época que celulares com visor colorido eram coisas de gente de posses. Mas vou encarar a chegada dessa fase numa boa, e vou lembrar de tudo com uma nostalgia gostosa, principalmente, o que eu ouvia (e ainda escuto).



Eu ouvia muito Cueio Limão, e até hoje escuto bastante. Foi banda que marcou mesmo, eu me esforçava pra conseguir ir aos shows, arrastava amigas que nem sabiam do que se tratava a banda e ficava lá, felizinha, alegrinha, curtindo meu momento.


Quando resolvi fazer faculdade de Web, antes mesmo de começar as aulas, montei um site dedicado à banda, e meu plano era atualizar tudo dele conforme o que eu ia aprendendo nas aulas. Mas daí surgiram os trabalhos intermináveis da faculdade, o TCC, a minha ideia genial de assistir todas as temporadas de Friends tudo de novo e de The Big Bang Theory também. Ou seja, o site acabou ficando em 3º plano, mas eu sentia muito em não poder atualizar e me dedicar como eu queria. Mas ó, era um bom site, tanto que a própria banda ~oficializou~ e eu tinha até senha do fotolog deles pra postar quando eu quisesse ~highlights da minha adolescência~. Como nada nessa vida é por acaso, foi graças ao site que eu mantinha contato com a banda, que daí me chamou pra participar do clipe, e daí nesse dia conheci o Sr BloodyMarii, que eu tanto amo. 

Oficialmente, a banda tem três CDs lançados: Quem Matou O Bozo?, Ainda Sou Um Rockstar e Paraguayo, e eu separei as minhas três músicas favoritas de cada CD pra sugerir pra você ouvir.





Ver vídeo

Ver vídeo

Ver vídeo




Ver vídeo

Ver vídeo

Ver vídeo









Ver vídeo

Ver vídeo

Ver vídeo





Eles são de Dourados/MS, e atualmente deram uma parada na banda, mas às vezes tem um show ou outro ~acho que tá na hora de mais um~. Se vocês forem procurar pelo YouTube, sugiro que procurem por vídeos de shows, principalmente no Hangar 110.

Foi uma fase muito boa, quando assisto ao Do Underground Ao Emo sinto orgulho de ter feito parte dessa época, que me trouxe tantas coisas boas (a melhor, é claro, foi DriDri). Como faz muito tempo que não vou à esses shows (não tenho mais idade pra me jogar nessas coisas não), não posso dizer com certeza de como tá essa cena hoje, mas pelo que já ouvi, caiu bastante, o que é uma pena. Antes, as bandas faziam de tudo pra tocar pela música, pra mostrar o que eles faziam pro público que tava interessado, e hoje, as bandas fazem isso pelo dinheiro. Não que esteja errado, mas isso virou o foco principal. Enfim.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comentários sujeitos à aprovação.

Topo