Remember The Monsters? - Sobre o final de Dexter

Obviamente, contém spoilers.
Dexter acabou no domingo passado, dia 22, mas eu só consegui assistir o final no sábado, dia 28. Então, vou comentar o que achei do fim dessa série maravilhosa.


Se você ainda não assistiu, NÃO ACESSE O POST. Último aviso, hein?

*Todas as imagens do post são daqui.

O episódio 'Remember The Monsters?' começou com Dexter indo pro aeroporto com o Harrison encontrar com a Hannah. Eles iam pro Rio de Janeiro, e de lá, iam pra Argentina. Maaas a tempestade Laura tava pra chegar, então eles tinham que embarcar rápido, porque se perdessem aquele voo, acabou o sonho da vida perfeita. Não é lindo? Dois assassinos em série (lembrando que Hannah já foi uma spree killer na época que namorada o Randall) criando um menininho fofo na Argentina. Cute!


Mas aí, chegando lá, cadê Hannah? Ele liga pra ela, que fala que tá presa no banheiro feminino porque o Elway tá atrás dela, e que não vai deixar eles embarcarem. Dexter, um gênio, vai até a lojinha do aeroporto e gasta uma pequena fortuna pra encher uma mochila com água, remédio e um relógio de mesa. Ah, e Oreos pro Harrison. Porque ele encheu a mochila? Pra deixar largada num canto e avisar a moça do check-in que "olha, aquele cara deixou de propósito aquela mochila ali, suspeito hein?" e apontar pro Elway. Os cops aparecem pra levar o Elway pra fazer umas perguntas, e a barra tá limpa pra Hannah. Mas esse plano do Dexter acabou se virando também contra eles, e ninguém pegou voo nenhum.
Eles tavam saindo do aeroporto, quando o Dexter recebeu uma ligação do Matthews, que avisou que a Debra maravilhosa Morgan tinha sido baleada pelo Saxon. Dexter pega o Harrison e os dois partem pro hospital, ver a tia Deb.


Dexter chega no hospital, Harrison corre pra Jamie (essa demonia num foi pra Atlanta?), enquanto o ruivão vai ver a irmã. Deb, sedada, começa a divagar sobre a América do Sul, como dá pra fazer trilhas por aqui, que ela e Dexter nunca fizeram trilhas, e manda o Dexter ir embora pra Argentina, porque ele merece ser feliz. Impressionante como uma conversa com o Quinn sobre 'deixe seu irmão ser feliz onde ele quiser' já fez ela vestir a camisa do "vai pra Argentina ser feliz, Dexter!". Nisso, chega a simpática médica da Deb, e fala que ela teve sorte, que tudo vai dar certo e que ela está otimista. Dexter, então, sai do quarto da Deb.


No corredor do hospital, Dexter fala pro Harrison que aquele foi o hospital onde ele nasceu, e diz que quando o viu pela primeira vez, tava com a tia Deb. Daí, vem um flashback maravilhoso, com Deb de cabelo chanel da época que ela namorava com o Anton, e umas conversas fofas que obviamente me emocionaram.


Daí, Dexter, indo embora, tem um pequeno stress com Elway, que foi visitar a Deb, mas vai embora. Ele, Hannah e Harrison resolvem pegar um ônibus pra deixar a cidade e então pegar o voo pro Rio, e depois pra Argentina. Mas, na hora que tá indo, ele resolve ficar, porque ainda tá preocupado que o Saxon tá solto, e ele vai querer matar a Deb. Daí Dexter, o pai do ano, resolve que ok deixar o filho dele com uma mulher que tentou envenenar a Debra, irmã do homem que ela diz tanto amar. Normal, quem nunca?
Harrison, a criança mais linda das séries de tv, abraça o papai forte e diz que ama a Hannah. Eles se despedem.


Enquanto isso, Saxon, que tomou tiro de raspão, invade um pet shop e ameaça um veterinário pra ele fazer os pontos no seu machucado. Na tv, eles falam do tiro que a ~tenente~ Deba Morgan levou do Saxon, o que faz o Vogel filho descobrir em qual hospital ela tá. Ele decide ir atrás dela, manda o veterinário dirigir pra ele até lá. Pra distrair os médicos e o hospital todo, ele corta a língua do veterinário fora, que chega cuspindo sangue e atrai os olhares de geral. Saxon entra no hospital sem ninguém ver. Minutos depois, Dexter entra, vê a cena toda e conclui que aquilo foi uma bela armação do Saxon. Ele vai até o andar da Deb, pega um garfo como munição e resolve enfrentar o cara, que tá com um revolver. Mas, haha, Batista e sua trupe rendem o vilãozão, cabou com a graça dos dois.


Daí, Dexter vai ver como tá a linda Deb, mas quando ele entra no quarto dela, tá vazio. Ele encontra o Quinn chorando, que conta que a Deb piorou, teve complicações, e tá na UTI. A médica explica que por causa de um coágulo formado durante a cirurgia, Deb sofreu um derrame, seu cérebro ficou um tempo sem oxigênio, e ela teria sequelas graves. Deb não ia poder se alimentar sem ser através de sonda, não ia conseguir raciocinar e nem saber que alguém tava por perto. Meu coração se apertou demais porque sempre adorei a Debra. De todos os personagens dessa série, ela era a que menos merecia isso. E o Quinn chorando??? Eu torcia muito pelo casal :/


E no ônibus saindo de Miami, Hannah conta uma história sobre ter pinguins andando nas ruas de Bueno Aires pro Harrison (rsrsrsrsrs), que dorme. Elway tá no banco ao lado do dela, e já manda que quando chegarem em Dakota, ela vai ser presa, e Harrison vai pro conselho tutelar. Mas né, Hannah é macaca velha, e na mochila com ~urgências~ que Dexter deu pra ela, consta uma seringa com tranquilizante de cavalo, que ela aplica no Elway. Ela e Harrison saem do ônibus e Elway fica lá, desmaiado.


Voltando a Miami Metro, Saxon vai ser interrogado. Batista, um cara inteligente, deixa Quinn, até então namorado da nega que o acusado deixou em estado vegetativo, participar do circo todo. Óbvio que Quinn, nervosão, pula em cima do acusado, e é posto pra fora.
Dexter, que viu tudo atrás do vidro, resolve ir enfrentar o demônio, diz que queria poder culpá-lo pelo que houve com a Deb, mas que era culpa dele mesmo. E avisa: vou te matar com essa caneta. Saxon pega a caneta e fura o ombro do Dexter, que revida, espetando a caneta no pescoço dele. Saxon morreu, e Dexter alegou legítima defesa. Sério, há quanto tempo Dexter não mata uma pessoa do jeitinho dele? De plastificar a sala, esfaquear, picotear o corpo e tacar no mar? Sinto falta disso...


O mais magnífico de tudo é que Quinn e Batista acharam ok. Ah, o cara era mau, né? É um cara mau a menos no mundo, deixa. E uma coisa aqui que o Buzzfeed me lembrou: o Quinn passou toda uma temporada tendo certeza de que o Dexter era um assassino. As dúvidas magicamente sumiram. 


Dexter coloca sua roupa de matar e resolve ir até o hospital ver a Deb. Ele relembra a primeira vez que viram o Harrison no berçário, dela dizendo que ele seria um ótimo pai, que ele a ajudava com os montros quando ela era pequena. Um diálogo lindo, emocionante de verdade. É quando Dexter decide que não pode deixar sua irmã viver desse jeito. Ele pede desculpas por tudo e diz que a ama. Desliga os aparelhos que a mantém respirando, a desentuba e espera ela parar de respirar.


Agora pega na minha mão. Dexter PEGA O CORPO DE DEB DE DENTRO DE UM HOSPITAL E SAI CORRENDO COM ELE. Porque todos os dias a gente vê essa cena, um cara com um corpo envolto em lençol indo pro seu barco. NORMAL. EXPLICÁVEL. E ninguém viu.


Ele coloca o corpo dela no Slice of Life e navega. Em pleno alto mar, Dexter mostra que sua operadora de celular é magnífica, e consegue ligar pra Hannah. Ela diz que está embarcando com Harrison, Dexter diz que ainda tá em Miami (ele nem falou que a irmã morreu) e pede pra falar com Harrison. Ele diz que quer que o filho saiba, pela última vez que ele o ama, e que é pra ele se lembrar disso todos os dias, até que eles se encontrem de novo. DEXTER O QUE VOCÊ VAI FAZER? Ele taca o telefone no mar, e depois taca o corpo da Deb. Dexter e sua mania de tacar coisas e pessoas na água.


Ele então conclui que destrói todos que ele ama, e que não pode fazer isso com Harrison e Hannah. Diz que deve proteger os dois dele mesmo, e então parte pra dentro do furacão. 


Passa a tempestade, a guarda costeira encontra os destroços do Slice of Life, e avisam ao Batista, que fica triste. Em Buenos Aires, Hannah e Harrison estão num restaurante, e ela lê em seu iPad que os destroços do barco do Dexter foram encontrados, sem sinal de que alguém sobreviveu. APENAS UMA LÁGRIMA DESCE PELO SEU ROSTO, logo ela enxuga e chama Harrison prum sorvetinho. É assim que Hannah lida com a morte do então amor de sua vida. 


Quando parece que acabou, corta pra caminhões de lenha e um cara barbudo. AH, É O DEXTER.


É isso aí amiguinhos, Dexter não morreu não. Ele forjou a própria morte pra recomeçar. Fugiu pras montanhas, deixou a barba crescer e agora trabalha com caminhões de lenha. No final, ele nos encara.


FIM.

Minha conclusão: apesar de certas falhas, foi o melhor final de série que já vi. Não foi nada previsível, achei que ficou bem não tendo um final feliz pro Dexter. Eu achava na verdade, que ia acontecer igual aconteceu com Trinity, que Saxon ia matar a Hannah, na frente do Harrison. Se formos parar pra pensar, foi algo parecido: na quarta temporada, ele teve mil chances de matar o Trinity, não aproveitou, e nisso, Trinity teve tempo de assassinar a Rita. Com Saxon, ele teve suas chances, INCLUSIVE AMORDAÇOU ELE PRA MATAR, mas declinou. Com isso, morreu a Deb.

Foi um final surpreendente, muito bom mesmo. Dexter vai deixar saudades!

Eu tinha muito medo de ser um final tipo Lost. SÉRIO.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comentários sujeitos à aprovação.

Topo