Época Underground

Hoje o post é nostálgico. Depois de perceber o quanto tô ficando velha, como o tempo passa e não perdoa ninguém, lembrei da minha época de adolescente (21 anos já não é mais teen, convenhamos) e de tudo o que eu fazia naquela época boa. Não que eu aprontasse horrores, sempre fui bem tranquila e caseira. Mas tinha uma coisa que eu não deixava de lado, nunca. Vamos falar sobre isso e ver que realmente, já tô uma tia?



Eu, lá com meus 16 anos, não gostava de baladas. Eu não gostava do tipo de música, sempre odiei gente bêbada e o clima desses lugares nunca me agradou. Eu não era de sair muito, preferia sempre ficar em casa, mas eu não abria mão de shows. Nem sempre eu tinha sorte de bandas internacionais virem sempre pra cá, mas eu dava meu jeito: conheci a ~cena underground~.

Antes de estourarem pro Brasil inteiro ouvir, CPM 22, Nx Zero, Fresno e Restart, fizeram parte dessa cena deliciosa. E um lugar que ficou marcado pra cena, dentre muitos outros, foi o ~lendário~ Hangar 110.

Já cheguei a ver show do Restart no Hangar (aliás, a primeira vez que vi clipe deles na MTV foi 'MAS QUEEE?'. Porque sério, foi OUTRO DIA que eles tavam no palco do Hangar sendo vaiados, agora são fenômeno nacional. Mas enfim). Eles eram banda de abertura do dia, poucas pessoas por lá conheciam, e muitos desbocados mandaram os meninos prum lugar não muito agradável. O que eu mais acompanhava mesmo, era o Cueio Limão. Já fui em muitos shows deles, que encerraram as atividades em 2011, mas ainda hoje fazem uns raros shows por aí. Aliás, Cueio é uma das poucas bandas que eu ainda escuto dessa época. Era a minha favorita, e se tiver mais algum show por esses tempos, eu não me recuso à ir. Eles têm três CDs lançados:


O "estou velha" foi quando percebi hoje, ouvindo o "Quem Matou O Bozo?", que esse CD ano que vem completa DEZ ANOS. É muita coisa, gente. Pra saber mais deles, vão na página do FB, cacem uns vídeos no YouTube (inclusive, essa que vos fala participa de um) e virem fãs.

Outra banda que já até deu bastante as caras pela MTV, e que eu escuto até hoje, é o ForFun. No começo, eles eram puro hardcore, mas a partir do Polisenso, pegaram uns elementos do reggae. O diferencial do ForFun pra qualquer outra banda, são as letras. Muito bem escritas e com mensagens bem bacanas, levantam teu astral. Um frase de uma música deles foi até a "frase de efeito" do meu TCC da faculdade. "Se nem sempre o planejado sai como o esperado, é só uma chance pra enxergar o outro lado" (4 A.M.).


Sendo honesta, eu não gosto de reggae, mas todas as músicas do ForFun me agradam até hoje. Pode parecer papo de louco, mas elas me fazem bem. Sei lá, tenta você, quando tiver numa fase ruim, ouvir Hidropônica. Pra mim, melhora. Se não resolver nada pra você, ce me perdoa.

Amanhã, dia 1º, no canal BIS, às 19:30h, vai passar o documentário "Do Underground ao Emo". É legal dar uma olhada, pra quem fez parte dessa cena e pra quem tem curiosidade.

Não me aprofundei em muitas outras bandas pro post não ficar gigante, mas já vi muito show de 35 ml's, Sugar Kane, Rancore, Dance of Days, Envydust e esse monte de bandas que estrelaram essa cena que foi ótima, me garantiu coisas ótimas e me trouxe até o amor da minha vida. Mas isso é assunto pra outro post ;)

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comentários sujeitos à aprovação.

Topo