À distância, com amor ❤

Semana de dia dos namorados, semana com posts especiais aqui no blog! De hoje, até o dia 15/06, só amor e amor por aqui. 

Há uns quatro anos atrás, uma amiga minha começou a namorar uma menina que morava no Nordeste. Até aí, sem problemas. Mas minha amiga morava em São Paulo. Eu não acreditava que isso poderia dar certo e até pensei "porque num arruma alguém da mesma cidade, né?!" Eis que um tempinho depois,
quem começou a namorar um menininho de outra cidade fui eu (Deus pega tudo que eu reparo e joga na minha vida pra ver se eu aprendo, temo que o próximo passo seja meu filhinho cantar Beatles e ter vídeos pela internet), e depois de muitos "mas porque não escolheu um da sua cidade?" e "mas porque tão longe?" e quase três anos depois, ainda estamos juntos (e imensamente felizes).

Quando tive a ideia do post, comecei a pensar quem das minhas amigas tem namoro à distância, e cheguei à conclusão de que são quase todas. O "à distância" que eu digo, em nossos casos, não é o não se ver nunca, mas sim se ver nos finais de semana, apenas. Eu trabalho, meu namorado trabalha, então se ver durante a semana fica meio inviável (salvo datas importantes, como dia dos namorados e aniversários). Desde que começamos a namorar, a pergunta mais frequente é "e porque não escolheu um mais perto?". A vontade de responder "porque não é da sua conta" é imensa, mas vamos trabalhar sempre com a boa educação que mamãe me deu e explicar bonitinho.

Tinha que ser ele. Morando na mesma cidade, em outro estado ou até mesmo em outro país, tinha que ser ele, e foi, e é. Mesmo sendo cruel passar quatro, cinco dias longe, quando se encontra, é a maior alegria da vida. É bem uma frase que eu li "eu odeio sentir sua falta, mas amo ter você pra sentir falta". Eu tenho certeza de que não existe nenhuma outra pessoa no mundo tão feita pra mim quanto ele, tenho certeza de que tinha que acontecer assim, e isso é o que me deixa feliz, muito feliz. Mesmo se fosse em outro estado, eu não veria problema em pegar um avião pra ir encontrá-lo (se bem que com os preços dos ônibus intermunicipais aqui em Guarulhos, tá mais barato viajar de avião). Quem ama de verdade, não vê problema, não vê distância. E se vê, deixa o amor passar por cima. Não é papo poético e nem clichê, nem mentira. Passar quatro, cinco dias com o coração apertado de saudade, com aquele abraço longo guardado, e então ver aquele sorriso que você espera tanto ver, só não é melhor do que passar o resto dos dias grudado.

Além do amor, também tem que existir confiança, e muita. Se tá longe, você não vê, e se não confiar, você inventa uma situação só sua e pronto, você é traída no seu próprio pensamento. Nenhum relacionamento funciona sem confiança, e um à distância, é pior ainda.
Pra tentar matar toda essa saudade, hoje em dia, existe telefone, e-mail, sms, Skype, e cartas ainda são válidas. Pode parecer paleozoico? Sim, pode, mas é romântico, e vez ou outra eu e Dri acabamos mandando carta um pro outro. É uma surpresa boa e esquenta o coração, ameniza um pouco a saudade, mas dá ainda mais vontade de abraçar.

Coração simplesmente não escolhe, acontece, na hora certa acontece. Namoro há quase três anos com o homem da minha vida, que demorou 19 anos pra chegar, e eu não me importo de ter que esperar quatro, cinco dias pra rever (importar me importo, mas se tem que ser assim por enquanto, fazer o que?). Se existe amor, confiança, respeito e cumplicidade, não são quilômetros que vão atrapalhar. 

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Comentários sujeitos à aprovação.

Topo