Tô pensando em eliminar coisas ruins da minha vida, e minha primeira atitude é diminuir mais do que pela metade a minha lista de coisas que eu odeio, ou quem sabe passar pra lista de coisas que eu apenas não curto, mas deixo passar, a vida é curta demais pra se preocupar com coisas pequenas, etc etc. Então vamos lá.

Gente efusiva - Não rola, não consigo com gente assim, a convivência fica difícil, é muito diferente do que eu sou e do que eu posso aceitar. O que eu posso começar a fazer é ignorar. Me conhece há dois minutos e já me chama por apelido que nem meu namorado me chama? Fazer o que, ignoro. Fica me tocando, quer abraçar a todo custo? Ignoro, a pessoa abraça, eu não sou obrigada a abraçar de volta. Pergunta coisa íntima demais e insiste em saber a resposta? Ignoro com maestria, mudo de assunto pra "e o The Voice Brasil hein?". Pelo menos não me estresso com essa massa que eu gorfaria na cara. Ignorando, e vivendo, e sorrindo.
Militantes - Não consigo entender pessoas que saem de casa pra ficar o dia inteiro marchando por tal causa. Respeito, acho que todo mundo tem que acreditar numa coisa, mas achar que sair nas ruas vai resolver alguma coisa é de uma inocência que não sei se me irrita ou se me comove. Não consigo entender, então vou parar de tentar. Só vai me estressar e eu não preciso disso, eles que se estressem quando perceberem que isso não dá resultado nenhum. Sigo ignorando.
Blogueiras de moda - São cafonas, ganham, trabalhando de casa, o que eu não consigo ganhar em meses de trabalho, querem porque querem ditar moda etc etc. Ignoro. Não preciso gastar R$200,00 numa blusa étnica com estampa de elefante pra ficar na moda só porque elas mandam. Eu nunca segui moda de ninguém a não ser a minha, sempre me vesti pra mim e não pras grandes blogueiras de moda. Ignoro também. Enquanto eles gastam esses R$200,00 numa única blusa, eu compro uma calça jeans bacana, uma blusinha descolada e ainda sobra prum ingresso de banda boa e pruma promoção do McMelt.
Facebook - Me irrita, mas eu gosto. É caso de amor e ódio, aliás, tô sendo injusta nesse tópico, porque o problema não é a rede social em si, são as pessoas que a integram. E não vem falando que é o povo do orkut que migrou pra lá, porque o orkut foi uma rede social tão boa que o FB nunca vai conseguir ser. Minha solução? Bloquear atualização, não aceitar os pedantes, nem por cordialidades e seguir postando o que eu quiser, sem deixar ninguém me censurar.

Começando assim até que tá bom, vamos com calma.
Topo