Quando eu tinha meus 11, 12 anos, eu dei uma afofada. Nunca fui ó obesa, mas eu afofei, isso é fato. Até então, eu não via problema nisso, eu tava bem, eu era uma criança (saudades da época que com 12 anos as crianças brincavam e não engravidavam). Só que com meus 13, 14, minha auto-estima começou a ficar um pouco abalada. Só que havia um problema: não rolava eu fazer dieta e nem muito menos eu entrar em academia. A dieta não dava certo porque, bem, eu não como absolutamente nada verde e eu sou um pouco viciada em Coca-Cola. E até porque eu achava meio doente fazer dieta com 13 anos, a não ser que minha saúde dependesse disso. Quanto à academia, fui uma única vez e saí brigada com o instrutor (motivo: eu queria ficar bem tranquila na esteira assistindo clipes da Mix TV e fazendo o meu ali, ele queria que eu fizese a Solange Frasão. Começou um clipe do Maroon 5 e eu diminuí a velocidade, ele ficou nervoso, queria mandar em mim e eu falei "olha amigo, não vou te obedecer não hein" e ele disse que assim ficava difícil e eu saí). Ou seja: eu só emagreceria por um milagre divino. Eis que, com meus 15 anos, eu comecei a estagiar, e uma das minhas tarefas no estágio era só carregar computadores de um prédio pro outro. Eu não ligava, achava o máximo, e ainda comprava trufas com desconto, comia umas quatro durante a labuta. E foi a partir daí que eu comecei a emagrecer. Tinha gente que me perguntava qual dieta eu fiz, qual nutricionista eu passei e até quem tava me vendendo cocaína, porque foi...estranho. Assim, não que eu seja A MAGRA, não tenho nem estrutura pra isso, mas eu emagreço muito fácil, e minha alimentação é, por resto do mundo, uma porcaria, e pra mim, é maravilhosa. Se eu posso dar uma dica, é essa: chuta o balde. Ficar se perguntando se você pode ou não comer a barrinha de Suflair não é vida, comer é uma arte e você merece ser feliz.


Se a Monica conseguiu, você consegue também.
Topo